Aspectos e Configurações · Astrologia

Grande Cruz Cardinal- Você sabe o seu significado?

Nos últimos dias os astrólogos tem falado de uma importante configuração no céu que vai ter influências tanto no âmbito coletivo quanto no individual, isso porque ela envolve um planeta pessoal (Marte), um social ( Júpiter) e planetas transpessoais ou externos (Urano e Plutão).

Esta configuração gera tensão porque é formada por aspectos desarmônicos (quadraturas e oposições). As quadraturas se formam com signos que tem qualidades iguais, mas pertencem a elementos diferentes. Por exemplo, é de conhecimento de todos que os signos se dividem em quatro elementos: Fogo, Terra, Ar e Água . Os signos do mesmo elemento tem afinidades entre si e formam um aspecto harmônico chamado trígono. Áries, Leão e Sagitário tem por afinidade a energia, o entusiasmo e a confiança, características do elemento Fogo. Quanto existem planetas nos três signos do mesmo elemento, representa que eles estão sintonizados e formam um triângulo ou grande trígono.

Mas, além da formação de grupos por elemento, os signos também são agrupados por ritmo: cardinal, fixo e mutável. E é nessa classificação onde encontramos as diferenças, pois cada um desses grupos é formado por signos que tem ritmos iguais, mas elementos diferentes. Esses signos podem até chegar a um denominador comum, mas com muito esforço, pois apesar de terem ritmos iguais, possuem essências diferentes.

A quadratura ocorre entre dois signos que pertencem ao mesmo ritmo, mas são de elementos diferentes: Áries (cardinal do elemento fogo) e Câncer (cardinal do elemento água). A tensão aumenta quando um terceiro planeta entra neste conflito. Vamos utilizar a situação atual como exemplo. Urano está em Áries formando quadratura com Júpiter em Câncer e Plutão está em Capricórnio (cardinal do elemento terra), signo oposto a Câncer e por isso forma oposição com Júpiter. Plutão em Capricórnio também faz quadratura com Urano em Áries. Ocorrem portanto, duas quadraturas e uma oposição e esta configuração forma um triângulo que chamamos de T-square ou quadratura em T.

A cruz acontece quando um quarto planeta que está no signo cardinal do elemento que está faltando para fechar o quadrado (são quatro elementos e três ritmos, lembra-se?) entra na configuração. Nesse caso, o elemento que falta para fechar o grupo do ritmo cardinal é o Ar, aqui representado por Marte que está em Libra. Marte se opõe a Urano em Áries e forma duas quadraturas: uma com Júpiter e outra com Plutão. Assim temos mais uma T-square e um outro triângulo. A combinação destes dois triângulos formam quatro quadraturas e duas oposições. A figura geométrica resultante desta configuração é um grande quadrado (quatro quadraturas) com uma cruz dentro (duas oposições). Veja na imagem abaixo esse quadrado com a cruz. Por isso que é chamado de Grande Cruz:

Imagem

Simbolicamente você sabe o que esse quadrado e essa cruz representam? Você pode encontrar diversas interpretações e reflexões sobre esta configuração. Diversos astrólogos estão discorrendo sobre o tema, mas um ponto em comum é que todos tem certeza que este é um período de mudanças. Um mapa nunca pode ser interpretado de forma isolada, temos que levar em consideração todos os aspectos e posicionamentos envolvidos, mas uma configuração como esta chama a atenção pela sua grande representatividade. E indicação de muito trabalho.

O ritmo cardinal representa atitudes, ações, impulsos, reações ao mundo exterior. Esse é o ritmo do começo, que nos faz iniciar algo, seguir em frente na vida. É o ritmo que representa o ascendente (nossa aparência e atitudes), o fundo do céu (nossa base, estrutura familiar e o privado), o descendente (o outro, a nossa relação com o outro) e o meio do céu (a nossa posição na sociedade, tudo que está exposto ao público). É importante ressaltar que neste exemplo está sendo considerado a roda natural do zodíaco: primeiro signo – ascendente (Áries), quarto signo – fundo do céu (Câncer), sétimo signo – descendente (Libra) e décimo signo- meio do céu (Capricórnio). Estas são as energias das casas naturais da roda zodiacal. São essas energias que nos dão impulso para agir em cada esfera da vida. O impulso para viver a nossa identidade, quem somos, a primeira casa ou ascendente: é a nossa primeira respiração, a porta de entrada para este mundo. O impulso para lidar com a nossa base emocional, as nossas raízes, a nossa vida privada: a quarta casa. O impulso para começar o nosso relacionamento com o mundo externo, com uma outra pessoa que não faz parte da nossa família de origem, aquela pessoa com quem precisamos fazer concessões e que nos apresenta um outro ponto de vista, a sétima casa e finalmente o impulso para mostrar a posição que ocupamos neste mundo, o nosso papel na sociedade, o que mostramos para o público, a décima casa.

No trânsito atual que estamos vivendo, os planetas envolvidos nos mostram as atitudes que devemos tomar para movermos em direção a nossa evolução. Plutão em Capricórnio indica que temos que transformar ou eliminar as estruturas até agora vivenciadas. Urano em Áries nos mostra que  iniciamos um novo ciclo de progresso e quem não estiver preparado para isso terá que mudar. E a mudança vai acontecer por bem ou por mal. Plutão e Urano como disse lá em cima, são planetas que afetam todo o coletivo porque estão distantes e demoram anos transitando pelo mesmo signo e influencia toda uma geração e como neste momento estão em desarmonia, significa que todos sem exceção, precisam se transformar para evoluir. Ninguém está livre disso, está é uma condição de toda humanidade neste atual momento que estamos vivendo. Enquanto não houver consciência (Urano) de que temos que evoluir, crises, rupturas, perdas e mortes irão acontecer. Essa quadratura entre Urano e Plutão iniciou em 2010 e vai continuar até 2015.

Porém, por mais que façamos parte de um coletivo que precisa evoluir junto, não podemos esquecer que somos indivíduos singulares e cada um tem um processo único de consciência e compreensão. Marte e Júpiter são os ativadores desta cruz, são os planetas que dão o gatilho para que a movimentação aconteça. São ativadores no sentido de estarem mais próximos da condição de indivíduo, principalmente Marte, que é o planeta que ativa essa grande cruz. Marte é um planeta pessoal, representa o impulso, a ação de cada indivíduo. Neste momento ele não está usando as suas características de forma natural, pois está em Libra, signo oposto a sua regência, está exilado. Está temporariamente em um território onde não é muito bem-vindo e onde ele não se sente muito bem também, por isso que se não se adequar às regras locais, as ações erradas que fizer terão uma dimensão muito maior. Somando o fato de estar retrógrado (andando para trás), fica mais fraco ainda. Por isso que neste momento cada um de nós precisa ter atitude para avançar no caminho da evolução sim, se autoafirmar como indivíduo, como ser único, mas de forma positiva, mostrando o nosso valor, a nossa identidade. Não somos padronizados, somos responsáveis por nossas escolhas e caminhos, mas essa identidade tem que estar em sintonia com o coletivo, para que façamos a nossa contribuição para o bem coletivo e principalmente em sintonia e em comunhão com algo maior.

Nesta comunhão com algo maior que entra o papel de Júpiter, o grande benfeitor, que nos ajuda a crescer e a revelar a nossa alegria. Júpiter é um planeta social, representa como devemos nos comportar em sociedade. Somos indivíduos que convivemos com outros indivíduos. Como Júpiter também simboliza o canal com o divino, com algo maior e ele está em Câncer, signo onde é bem recebido e pode usar da melhor maneira as suas características, Câncer exalta Júpiter, a sua posição na cruz nos mostra que apesar de toda turbulência que ainda temos que enfrentar (Urano e Plutão estarão realizando e nos preparando para as mudanças até 2015) se tivermos sensibilidade e abrirmos o nosso canal de consciência, teremos proteção. Não estamos sozinhos nesta jornada. Temos que ter confiança em algo maior.

Mas, para ter clareza de como esta cruz vai nos afetar diretamente, é necessário fazer uma análise em conjunto com o mapa natal. Todos nós seremos influenciados indiretamente (Plutão e Urano representam o coletivo), mas para saber qual atitude tomar individualmente, é necessário analisar em quais áreas das nossas vidas (casas) estes planetas estão transitando e verificar se esta configuração faz aspecto com planetas pessoais ou sociais e transpessoais que sejam importantes no nosso mapa natal. Quem tem planetas entre os graus 6 e 20 de Áries, Câncer, Libra e Capricórnio serão mais influenciados pela grande cruz.

Esta configuração começou a se formar no final de dezembro de 2013 e no dia 07 de janeiro deste ano Marte fechou o quadrado como fechará nos dias 22 e 23 deste mês, a única diferença e que torna a configuração e a tensão mais forte, é que todos os planetas envolvidos encontram-se no mesmo grau, 13, deixando essa potência muito mais forte.

Como temos que olhar o mapa de cada evento como um todo, ainda estamos sendo abençoados pelo fato do Sol estar em Touro, Vênus em Peixes e Mercúrio que logo ingressará em Touro também. Estes posicionamentos dos planetas pessoais trazem um pouco de calmaria para o nosso ritmo interno. E esta configuração teve o seu auge junto com a Lua Minguante em Aquário, que finaliza a lunação impetuosa de Áries. Tudo indica que a mudança está aí para nos libertar.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s